Porque todas nós nos encantamos pelos Cinquenta Tons de Grey

A está altura do campeonato acho que quase todos nós já ouvimos falar e muito dos Cinquenta tons de Grey ou Fifty Shades of Grey. Muitos ouvirem alguma coisa sobre o assunto e nem sequer sabem do que se trata mas ainda assim o tal Grey despertou uma certa curiosidade.  Eu acredito que cada um de…

“Nós Vamos Precisar de Mais Vinho”

“Nós Vamos Precisar de Mais Vinho” Nos passados dias 26 e 27 de Dezembro do ano que mal acabou de acabar em meio ao tédio e a um certo desânimo com a virada do ano debrucei-me sobre este livro e não larguei mesmo até ter acabado de ler até a última página. We´re Going to…

Ler, Sempre!

“… E isso só é possível se prestar-mos atenção naquilo que estamos a ler. Precisamos desenvolver e cultivar nas nossas crianças, adolescentes e jovens o gosto pela leitura. Porque só o contacto com textos de qualidades eles vão poder produzir qualidade. Temos que criar esta cultura, e temos que expor-los aos livros.”

KARL OVE KNAUSGAARD

Ele fala de amor, de morte, de arte, expões as nossas vergonhas, nossos medos, nossas fragilidades e faz tudo isso numa obra que tem muito de auto-biografia que mesmo sendo sua também parece muito nossa. E nos faz ver que tudo isso faz parte da vida. O nosso censo de vergonha, os nosso medos, os nossos fracassos e fraquezas. Isso é vida, que ele traduz como ninguém através da sua arte. 

Quando as regras já não se aplicam

“Porque não falar sobre menstruação, sobre o corpo feminino, sobre o desejo feminino, dar detalhes sobre o acto de parir e as implicações emocionais e psicológicas que isso tem para a mulher. Isso não é menos legítimo do que qualquer experiência masculina. Porque como diz a Ariel e muito bem, estas são as experiências de 50% da população mundial.” 

A life Reading

If you can, and if you care please read. You do not have to make it all of your life but  make it part of your life and please do read as much and as often as you can

Thank you Chimamanda for Americanah!

Thank you Chimamanda for Americanah! I remember that the first time I heard about Americanah was in 2015. So I sent a WhatsApp message to Vezua who was (and still is) living in New York, and asked her if she could please buy the book for me and send it over to Luanda with the…